18 de setembro de 2015

Pessoal \\ Aspirações para o futuro #1

Fonte fotográfica: Tumblr


Entrar para a universidade
Estou no meu último ano de secundário, tenho notas para entrar para o curso que quero, mas nunca se sabe de que material é feito o futuro. Tudo pode estar a nosso favor, mas quando algo é para acontecer, não importa o resto. Correrei atrás deste sonho, deste desejo, desta ambição até ter a certeza de que serei caloira.

Tirar 1 ano para viajar por Portugal e pelo mundo
Há quem faça o dito cujo gap year antes da universidade, para se conhecer a si mesmo, para guardar dinheiro para a universidade, ou simplesmente para hibernar. Eu penso ao contrário. Após tirar o curso que quero, tenciono tirar uns meses para viajar pelo país onde nasci, e só depois aventurar-me pelo mundo fora. É óbvio que pretendo viajar nos meus anos enquanto universitária, mas um ano de férias é outra coisa.

Fazer a carta de condução
E quem é nunca passou grande parte da sua vida a sonhar em ter a carta da liberdade, assim como um carro para andar por onde bem quisesse? Eu não sou excessão, e estou super entusiasmada com o facto de poder começar a fazê-la a partir de janeiro. Longa vida à liberdade.

Ter uma casa com jardim ou no campo
Embora não pareça junto daqueles que me conhecem pessoalmente, eu adoro o campo. Aquela sensação de captar cada detalhe que a natureza nos dispõe, inspirar cada aroma da terra molhada, das flores a nascer, das árvores que lá se vão com o vento. Sempre vivi num prédio, mas assim que tiver as condições necessárias, eu gostaria de ter uma casa no campo, onde pudesse fazer as minhas caminhadas, isolada do mundo; onde pudesse vir a fazer jardinagem (ou pelo menos, aprender a fazê-lo); onde pudesse ser livre. A conta poupança há de me agradecer.

Ver uma das minhas histórias publicadas
Nunca se é novo de mais para ter uma história publicada nas livrarias. Basta termos talento. Apesar de ser um bocado reticente acerca disso, existem pessoas que sempre me elogiaram pela qualidade da minha escrita e que sempre me deram forças para eu avançar com a ideia de enviar uma das minhas histórias para uma editora. E embora eu tenha mais de vinte ou trinta histórias por desenvolver (das quais duas ou três já estão completas, mas por retificar; e tudo o resto por desenvolver), eu sou da opinião de que tudo tem o seu tempo e de que nada nos valerá insistir contra ele. Reconheço, também, que existe muita coisa que eu desconheço e que tenho todo o prazer em vir a conhecer, coisas que me permitirão ter uma visão mais ampla, auxiliando-me, assim, a ter uma história bem estruturada e de muito melhor qualidade. Como diz uma grande amiga minha, Força, Foco e Fé.

Estar bem empregada na minha futura área
Nem me vou especificar tanto na área que quero fazer (por enquanto), e embora tenha noção de que neste país eu não vou muito em frente com ela, eu só sei que gostaria imenso de exercer a minha profissão tal como ela é. É verdade que temos de começar de baixo para irmos alcançado as coisas até ao topo, mas eu só espero (tanto para mim como para os outros) que não seja necessário termos de passar pelo o que os mais velhos da atualidade têm vindo a passar: tirarmos um curso de que realmente gostamos e não o exercermos por falta de oportunidades.

Possuir uma biblioteca pessoal 
Já todos devem saber que eu tenho assim uma obsessão oculta por livros (cof cof pró oculto). Ao princípio, eu lia tudo o que me aparecia pela frente (nem por isso), mas de uns tempos para cá, os meus gostos têm vindo a amplificar-se, e eu tenho vindo a ganhar um gostinho por géneros literários que jamais me passariam pela cabeça. O tempo passa e a vida também. Por isso, por muito normal que seja eu ter vontade de comprar livros sempre passo pela Bertrand (cof cof pra normalidade), eu gostaria imenso de criar uma biblioteca só minha, onde no futuro pudesse disponibilizá-las para os meus filhos, netos, bisnetos, os do além. Não importa. Desde que eu possa permitir que as pessoas leiam, já me darei por feliz.


(e por agora ficamos por aqui)

2 comentários:

  1. Adorei o post (como sempre)! E identifiquei-me imenso com certos pontos. Acho que o futuro é algo tão incerto mas ao mesmo tempo tão certo que nos faz sonhar assim e lutar pelos nossos sonhos. Espero que alcances todos os teus objectivos :D Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O importante é nunca desistirmos daquilo em que acreditamos! E obrigada! :D <3
      Beijinhos!

      Eliminar