sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Pessoal \\ Aliviar o stress... A preto e branco

Já de nascença, sou uma pessoa que se enerva com pouca coisa. Principalmente se o espírito e o físico não estiverem coordenados devidamente. Tenho a tendência para pegar na ponta de uma linha e puxá-la de tal modo, que acaba por se tornar improvável a sua reposição. Ou continuo a puxá-la ou corto-a e deito os problemas pelo cano abaixo. Por vezes, esta última tarefa torna-se bastante complicada. Digamos que até impossível. O mínimo descuido nas minhas tarefas, nas minhas rotinas, com o meu corpo. Qualquer uma destas pode ser a razão para passar uma semana inteira carrancuda, sem ânimo para nada e até um pouco deprimida. Por não ser uma pessoa de falar e desabafar com a voz aquilo que sinto, a acumulação do stress não só me prejudica como àqueles que me rodeiam. Desde os olhares preocupados às questões que são comuns a toda a gente, tudo isto influencia o modo de eu lidar com ele. Ou fico melhor por ter quem me ajude a desanuviar, ou fico pior e começo por ser rude e mal-intencionada. Já tenho a fama de ser "a chateada"... Com o stress em cima, poucos são os que ousam aproximar-se de mim para me falarem. Ser o que sou dá nisto.

Esta semana foi do piorio. Não é novidade para mim ter dias assim, mas nunca pensei que voltasse a ter a auto-estima e o controlo tão abaixo do normal. Pratiquei a minha dose de exercício semanal como de costume, transpirando tanto ou mais que o habitual (sim, porque vocês nunca me viram depois de um treino. Seja em casa ou no hip hop). Senti as endorfinas a agirem sobre mim após cada minuto de esforço, as dores musculares permanecem até hoje do treino de ontem. Mas nem isso resultou para me fazer sentir bem. Li, ouvi música, abanei o capacete pela casa. Nada. Tive dois dias de almoço cá em casa com duas pessoas maravilhosas e a Panda fez questão de me enviar um pergaminho de palavras que quase me fizeram chorar, qual a motivação com que vinham carregadas. Resultado? A nuvem negra de inquietação permaneceu em cima do meu espírito, ávido para me empurrar pelo abismo abaixo. Para acrescentar à vontade que tive de sair de casa e enfrentar o mundo, tive de lidar com um corte que fiz na barriga, tudo por causa da maçaneta da porta da casa-de-banho. Quem o viu, julgou-me por chefe da máfia do chocolate, que levou uma facada e que ficará com a marca eternamente. Não pude dançar, baixar-me para pegar num objeto que se divertisse pelo chão, rir sem sentir pontadas de dor no corte. Tendo em conta que o fiz na semana passada, tive duas semanas deploráveis. Para não falar de umas aulas que tenho e que esgotam com a tolerância que já tão pouco existe.

Resumindo, se aqui estou a escrever é porque o ânimo já se elevou um pouco. Não estou a cem porcento, mas tenciono gritar um fuck off ao stress e dar um novo rumo à minha vida. Todas as pessoas que me rodeiam ajudaram-me, de certo modo. Como recompensa pelo almoço de segunda, a Nobel (pseudónimos) levou-me até sua casa hoje. Comprámos duas pizzas (para o bem da humanidade, tendo em conta que é à pala de comida que ando toda atrofiada comigo mesma), batatinhas, sentámo-nos no sofá e assistimos a Ex-Machina (review por fazer). Bebemos chá para desanuviar, ela trouxe-me a casa, troquei de roupa e caminhámos o equivalente de uma ou duas horas até a um dos lugares mais calmos aqui da nossa cidade. Até sinto-me besta por nunca ter atravessado aquela ponte. Mas penso que o timing certo deu o melhor de si, pois tive uma das melhores pessoas e companhias que se pode desejar. Um dia hei de falar dela aqui.

Um pouco tapada das ideias, lá decidi fotografar o sítio para o qual fomos, denominado Os Moinhos. Senti-me bem ao congelá-lo e melhor ainda quando chegámos ao nosso destino. Permanecemos caladas por um tempo, enquanto a brisa que acompanhava o rio nos vinha dizer "Olá". Toda aquela paisagem envolveu o meu stress e levou-o para um passeio do qual espero não receber notícias. E para ilustrar o título desta publicação, "Aliviar o stress... A preto e branco", deixo-vos aqui o conjunto de fotografias que exerceram em mim dois godés e meio de sorrisos e boa disposição (não que esta frase faça sentido, mas até gostei dela). Enjoy. (e obrigada Nobel, por me teres disponibilizado o teu telemóvel).


























4 comentários:

  1. Todos os grupos de amigos têm o "stressado", eu sou essa pessoa haha. Capaz de transformar a mínima coisa num drama, compreendo perfeitamente as tuas frustrações e mudanças de humor. Quem está de fora deve achar que somos malucos, mas é irritante que não entendam que não somos nós que controlamos a nossa maneira de pensar. Enfim, espero que tudo se resolva e que saias dessa "nuvem negra". :)

    P.S.: Adorei as fotografias e o local está a parecer-me estranhamente familiar. Algo me diz que é no Barreiro!

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o Barreiro sim senhora eheheh. Fico feliz por teres gostado das fotos. Só mostra o quão melhorada ando em relação a elas :D
      Eu puxei este lado stressado da minha mãe. Tenho por aqui o humor calmo e calado do meu pai, mas na maior parte das vezes, ando revoltada com o mundo e isso faz com que eu tenha de ouvir bocas das pessoas que me rodeiam e que já sabem que eu estou sempre chateada. Mas já nem ligo. Quando não estou a sessenta porcento de stress, estou a duzentos de entusiasmo. Sempre assim.

      E obrigada. Tenho a certeza de que ficarei bem.

      Eliminar
  2. Primeiramente amei as fotografias, segundamente também sou stressada, também sou a drama queen da cidade, e também tenho dias em que não suporto nada nem ninguém, que o melhor mesmo era ser fechada dentro de uma arca congeladora porque ne.. Mas quero mais uma vez te lembrar que és uma das pessoas mais maravilhosas e fortes que já conheci e a quem eu tenho a honra de puder chamar de amiga, irmã, koalayne! Todos temos os nossos momentos menos bons, momentos em que não nos sentimos bem com o mundo nem connosco mesmo, mas à sempre uma maneira de dar a volta, e o teu texto mostrou bem isso, uma simples caminhada por um sitio lindo e maravilhoso (como as fotos mostram) foram o suficiente para te fazer ficar bem de novo. Adorei o texto, as fotos, tudo. Adoro posts assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande parte do meu stress desvaneceu pelo simples facto da tua presença e da tua força. És, sem dúvida alguma, uma das razões para eu ter erguido a cabeça. E sim, é um facto que esta caminhada me tenha feito muito bem. Fotografar o local fala por si.
      Agradecida :D

      Eliminar