sexta-feira, 24 de junho de 2016

A minha relação com a fotografia/Instagram


Das primeiras vezes em que me comecei a relacionar com a fotografia, a minha sensibilidade para  com a mesma quase que não existia. Na época, a minha perceção estava virada para qualquer sentido: se eu visse algo que chamasse a minha atenção - leia-se tudo à minha volta - eu fotografava sem qualquer cuidado. Estivesse eu com a câmara torta ou com pouca luz, ia tudo pela goela abaixo. Afinal, o importante era ter uma recordação daquele momento, independentemente da reação dos outros perante aquele pequeno pedaço de pixels mal concebido. Mas depois, eu descobri o Instagram, a rede social da fotografia. Aos princípios, eu partilhava tudo quanto era coisa: nozes, a natureza, a minha cara, comida - de tudo mesmo - sem qualquer noção do perigo que eu estava a cometer ao exercer o poder do click.

Com o passar do tempo, fui descobrindo qual era a verdadeira essência da fotografia e o porquê dela existir naquela rede social: as contas populares foram surgindo, as fotografias que tanto convidam a atenção das pessoas foi chamando pela minha também, os programas de edição demoliram o território do Photoshop (embora eu nunca o tenha usado, fazendo sim hábito do Photoscape), o Instagram foi aclamando pelo seu povo, até chegarmos aos dias de hoje. Eu observava com bastante atenção as partilhas das outras pessoas, sempre na esperança de, num dia, conseguir fotografar tão bem como muitas delas, e foi nesse momento em que decidi investir numa câmara a sério. Mesmo tendo nas mãos uma máquina que se possa chamar de "profissional", eu continuava fora de um meio em que tanto queria pertencer, explorando a cada dia as funcionalidades da mesma. Pesquisava por dicas, sugestões e aplicações que me pudessem auxiliar nesse trabalho, descobrindo pelo meio blogues que mencionavam o assunto. 

Quando criei o meu primeiro blogue oficial (Livros da Meia Noite), a minha atenção virou-se para a captura de livros, algo que foi funcionando muito bem para mim, enquanto que o Instagram, o Tumblr e o Pinterest foram descobrindo em mim uma fotógrafa que eu desconhecia. Comecei a fazer uso do macro, algo que eu adoro ver em qualquer fotografia; descobri o ISO, a Compensação de Exposição, que nos permite clarear ou escurecer uma fotografia previamente (ou, posteriormente, na edição); passava a maior parte do tempo a instalar e a desinstalar aplicações de fotografia no telemóvel, uma ferramenta da qual dou bastante uso, não fossem a maior parte das fotografias do blogue pertences a ele; fui-me desapegando das fotografias bonitas que a internet me poderia dar, valorizando cada vez mais aquilo que eu poderia fazer enquanto fotografa amadora. Hoje, quando perscruto por capturas que me possam fazer falta, dou de caras com fragmentos do passado que, muito sinceramente, plantam o riso em mim. Ver o quanto evoluí nesta área, sem qualquer tipo de curso ou workshop, convence-me cada vez mais de que, independentemente daquilo que saibamos ou não fazer, com um pouco de esforço chegamos lá.



Existem inúmeras vantagens que poderia enumerar pelo simples facto de me ter desafiado a criar "A vida de Lyne" (para além daquelas que estou sempre a mencionar), mas a que interessa agora é mesmo a do tema de hoje. Quando coloquei na cabeça de que para se ter um blogue era necessário exercer um pouco de cada profissão ligada ao mesmo, como por exemplo, ser-se um designer gráfico, um pseudo-informático, um escritor, um fotógrafo, um jornalista, um agente do FBI, etc., algo em mim incendiou-se de tal maneira, que deixei de ter medo de me atirar de cabeça com uma câmara na mão. Passei a ser mais observadora do meio que me rodeia, comecei a prestar atenção à luz que me permite ver, fui treinando a posição da mão, tornei-me numa quase pró no que toca na edição de fotografias. Aprendi que, por muito boa que uma fotografia esteja, no momento em que a decidimos editar, damo-nos conta da quantidade de erros que poderíamos ter evitado, como por exemplo, quando decidimos rodar uma imagem um pouco mais para a direita ou esquerda, mesmo que por ínfimos cinco graus. Ou mesmo quando ousamos aproveitar da existência de um filtro, embora com algum cuidado, para que a essência da nossa captura não se esfume pela edição fora. 


Foi na minha viagem ao Porto que me apercebi do potencial de um bom alvo fotográfico, mas é também na minha ou na cidade de Lisboa onde costumo fazer ainda mais experimentos. Quando estamos em casa, é muito mais fácil avistar um objeto que queiramos partilhar, ou mesmo aspetos do nosso dia a dia, mas no que toca a cidades, há que saber escolher o sítio e o momento certo. Quando fui à Feira da Ladra há uns dias, eu e a minha companhia decidimos ir até ao Terreiro do Paço descansar e esperar mais uma pessoa. Nesse momento de espera, tive a oportunidade de congelar o Arco da Rua Augusta do sítio onde estava, editei a imagem no VSCOcam e partilhei-a no Instagram. Mal sabia eu que hoje dar-me-ia jeito tê-la guardada. Para exemplificar o que disse no parágrafo anterior, editar uma fotografia não é assim tão negativo como muitos pintam. Existem funcionalidades em certas câmaras ou em telemóveis que não nos permitem uma edição prévia antes do click, e se desejamos assim tanto uma fotografia com qualidade, não há mal que venha ao mundo por darmos uso das aplicações que nos facilitam a vida. Não fosse por isso e muitos dos fotógrafos profissionais pelo mundo inteiro não teriam tanto prestígio como têm. Por vezes, uma pequena porção de filtro é o que confere à nossa fotografia mais identidade. Da mesma maneira que muitas pessoas fazem uso de um pouco de maquilhagem para sobressaírem aquilo que têm de melhor no rosto, os filtros nas fotografias ajudam-nos a perceber quais os pontos fulcrais que devemos salientar antes de partilharmos ou mantermos uma fotografia para nós.


Ter uma conta no Instagram ajudou-me a perceber isso muito bem. Tanto pela ajuda de muitos blogues que existem pelo mundo fora, assim como pelas sugestões e existências de contas fantásticas nesta rede social, a cada dia que passa o meu poço de inspiração vai-se recheando, facilitando cada vez mais esta aprendizagem que decidi aplicar na minha vida. Seguindo as pessoas certas e que nos sugerem de forma indireta dicas de captura e partilha, a tarefa de fotografar torna-se ainda mais fácil! Se não fosse pela decisão que tomo de eliminar fotografias com as quais já não me identifico, deixar de seguir pessoas que não me dão a inspiração de que preciso ou mesmo o cuidado de preparar certos cenários, talvez eu não começasse a valorizar o poder que uma fotografia pode desempenhar no nosso dia a dia. O seu surgimento foi o que permitiu a criação do movimento Impressionista e os seus contemporâneos; se não fosse pela fotografia, como poderíamos saber como éramos nós em crianças, como poderíamos sorrir perante um momento do passado, como poderíamos revolucionar o mundo em que vivemos? Como tal, tendo a fotografia este poder concentrada nela mesma, há que tirar proveito disso e descobrirmos por nós mesmos como é que podemos tornar o mundo num lugar melhor, pelo simples facto de partilharmos o que há de melhor à nossa volta.


Passei a valorizar o poder do click por estas e outras razões. A fotografia passou a ser uma ponte que me liga ao mundo, que me ensinou a ter mais do que os quarto olhos que tenho. É atrás de uma máquina fotográfica em que decido o que quero conservar para o meu futuro; é graças a ela que muitas das vezes encontro um suporte para o blogue... É com a fotografia onde descubro a felicidade no rosto e no dia a dia das pessoas que me são próximas... É com pequenos pedaços de um certo momento onde posso regressar no tempo e sorrir, na companhia da querida nostalgia, pelas recordações que tanto prezo e que fazem de mim a pessoa que sou.

10 comentários:

  1. Gosto de fotografia desde criança - por influência do meu pai - e por isso percebo a tua necessidade de evoluir e de melhorar (sobretudo relacionada com o blogue). E acho fantástico poder acompanhar isso! As tuas fotografias estão cada vez melhores e concordo plenamente no que diz respeito aos editores: não há mal nenhum em usá-los para potencializar a beleza daquilo que escolhemos fotografar, desde que não fique "falso" (a comparação com maquilhagem parece-me um óptimo exemplo!) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Carolina! É sempre tão bom quando as pessoas se identificam com aquilo que escrevemos e fazemos! No que depender de mim, continuarei a apostar na fotografia, pois acho esta área fascinante!

      Eliminar
  2. Gosto muito de fotografia e concordo com o que dizes, é uma área em que podemos e devemos estar sempre a melhorar. É incrível como uma imagem consegue mesmo falar por mil palavras. Tens fotografias fantásticas :) Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Não é por acaso que aquilo que impulsiona o marketing é, exatamente, a imagem! Para quê palavras, quando podemos fazer uso de uma ferramenta tão poderosa quanto a fotografia?

      Muito obrigada Paula!
      Beijinhos!

      Eliminar
  3. Em criança, uma das várias profissões que queria ter "quando fosse grande", era fotógrafo. Sempre fui o colega da escola que tirava fotos/filmava tudo e todos, pelo mesmo motivo que referiste no início, para guardar momentos. Quando criei o meu primeiro blog em 2006 comecei a aventurar-me pelo mundo da edição e desde então o bixinho tornou-se num monstro com pés e cabeça. Talvez por esse motivo é que por vezes fique chocado com certas coisas que encontro por estas bandas haha. Tenho consciência que me faltam bases fotográficas, regendo-me apenas pelo que considero "bom gosto" ou "que fica bem", mas pretendo mudar isso. Graças ao instagram, já me tinha apercebido que estavas a partilhar imagens mais profissionais, o que só demonstra que a prática faz a perfeição. Agora é continuar :)

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A edição é, também, uma outra ferramenta aliada da fotografia! Com a prática, tenho a certeza de que chegarás lá eheheh!

      Oh, muito obrigada. Fico feliz em saber que se nota um progresso quanto às minhas galerias. Ouvir e ler isso dá-me ainda mais vontade de continuar a apostar na fotografia! :D

      Eliminar
  4. Excelente texto - e excelente história que contas aqui! Acho que há muita gente em que isto da fotografia começa assim. Um bichinho pequenino que, quando dás por ela, já te levou a alma, o coração, e um pedaço da carteira também ahah :) tenho este vício desde que apareceram as primeiras máquinas cá em casa, mas revelar os rolos não ficava barato, então foi a loucura quando apareceram as primeiras máquinas digitais por cá. Nunca mais larguei o vício...e confesso que acho que metade da razão de ter um blogue é poder partilhar estes pedacinhos de tempo que congelo numa imagem. Uns melhores, outros piores, mas sempre a descobrir por onde aprender mais! :) E sim, o Instagram é uma fonte de inspiração que nunca mais acaba!

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão! Esta paixão começou pequenina, nunca tinha dado por ela... Mas agora, ela cresce a cada dia que passa e alimentá-la é o melhor que posso fazer!

      O Instagram é um espetáculo! :D

      Eliminar
  5. Eu adorava tirar fotografias mas nunca tive muito jeito. Tento tirar o melhor que consigo mas realmente é uma área que não domino.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredita, quando comecei a tirar fotografias, também não tinha jeito algum! Com o tempo e com a prática, fui dominando cada vez mais esta área e hoje orgulho-me dos meus resultados! Acredito que se praticares e tiveres paciência, serás bem recompensada! ;)

      Eliminar