quarta-feira, 3 de agosto de 2016

A frequência com que se escrevem certos assuntos

A cada dia que passa, ser blogger tem-se tornando numa tarefa bastante fácil e prazerosa. Não que seja munida de ideias a toda a hora, ou mesmo de uma vontade incandescente de escrever em todos os minutos do dia, mas antes de me lançar a este desafio, pensei que tornar-se-ia complicado balancear esta tarefa com tudo o resto na minha vida. Existem dias em que fico absorvida no arquivo e sorrisos não me faltam quando me apercebo da evolução que sofri. Não é o meu lado modesto a falar, sou mesmo eu que admito os progressos e regressões que sofro ao longo dos tempos. De vez em quando faz bem quando somos honestos connosco mesmos, elogiando o próprio trabalho sem nenhum pudor ou porção de arrogância. Se não nos valorizarmos naquilo que fazemos, jamais seremos capazes de abraçar os louvores que nos concebem com a maior genuinidade de todas. 

A mando das evoluções, reparei que quando comecei isto, tinha receio de cair no esquecimento, já antes das pessoas saberem que eu existia. Não sei, mentalidades que se formatam conforme as pistas que nos entregam sem pedirmos, mas a verdade é que quando não sabemos exatamente o que queremos, mesmo que nos convençamos que sim, tendemos a correr atrás daquilo que os outros fazem, de modo a nos destacarmos, sendo isto feito por todos, alguns ou em casos raros. Não estou para aqui a dizer que copiei textos ou ideias, jamais seria capaz de o fazer. Se há coisa que eu prezo nesta vida é a singularidade de cada um. O que quero dizer é que na altura em que criei o blogue, mesmo decidida a escrever do que bem me apetecesse, eu não sabia quem eu era nem o que queria de verdade com isto tudo, tendendo a escrever sobre temas que batiam bué na época. Hoje, noto que já não é assim.

Talvez alguém daqui tenha a propensão para ler certos blogues desde os primórdios e me diga que não, eu estou errada, mas é o que eu sinto em relação ao meu blogue. Talvez não me tenha entregue completamente ao vício de escrever só o que se destacava, mas só agora, muito recentemente, é que me apercebi do verdadeiro valor de ter um blogue e ser-se blogger. Não me colocarei aqui a dizer-vos qual a minha definição de "blogger" porque isso é exatamente o que eu tenho vindo a tentar ser ultimamente, portanto não tenho uma opinião formada. Ao fim e ao cabo, tenho perdido o medo de me explorar, no sentido em que as portas que quero que sejam abertas estão, somente, na minha cabeça. Já não me sinto culpada por não escrever todos os dias, algo que eu vejo a acontecer e que tomava como uma regra a cumprir, pois se não o fizesse, estaria condenada; já não me sinto enclausurada nos próprios pensamentos, evitando escrever ou falar de assuntos que, ou não tenha um argumento desenvolvido para vos apresentar, ou sejam falados por toda a gente apenas por ser popular; e principalmente com os quais não me identifique. Aprendi a ser paciente, a celebrar pequenas conquistas e a não me aborrecer por existir dias em que o feedback nem sobe nem descer; aprendi que, acima de tudo, eu estou aqui a escrever para e por mim

Existem assuntos que são comuns a toda a gente e a única coisa que os torna diferentes é exatamente a maneira como os mesmos são abordados. Mesmo que a criatividade e as coisas novas pareçam ter sucumbido no esquecimento, existirá sempre espaço para sermos diferentes. De dia para dia, tenho-me transformado numa borboleta, abandonando o casulo que tanto prezei e cujo tinha medo de abandonar por me sentir desprovida de preparação. Mas eis que chegou a hora que evoluir um pouco mais e sair por aí a bater as asas. Afinal, nunca é tarde demais para começarmos!

6 comentários:

  1. Acho que este é o primeiro texto que leio teu desde há muito tempo - também estive muito tempo fora da blogo - e só te posso dizer que escreves muito bem - mesmo muito bem!!

    Quanto ao assunto do post, percebo exactamente aquilo que queres dizer e, como tu, sinto que o feedback e aquilo que é popular já não importa e que embora existem temas que sejam falados por todos, existem sempre diferentes formas de os abordar e é isso que nos torna diferentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Inês, de coração!
      Fico bastante aliviada por saber que não sou a única a ter este pequeno "problema". O segredo para levarmos esta tarefa de se ser Blogger é mesmo a paciência e o trabalho. Tudo o resto vem por acréscimos! :p

      Eliminar
  2. para mim o feedback que recebo não é importante. o importante é eu sentir-me bem em escrever o que escrevo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora isso é algo com o qual me tenho confraternizado ultimamente! :P

      Eliminar
  3. Quando criei o meu blog, também tinha muito receio de cair no esquecimento mesmo antes de me conhecerem, e tinha tendência a escrever posts que estavam mais na moda na altura. Agora faço como tu, escrevo por mim e para mim. A primeira pessoa que gosta do blog deve ser nós mesmos, e se formos genuínos em todos os nossos posts, os leitores virão sempre, mais cedo ou mais tarde.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais! Auto-reconhecimento é o mais importante nisto de ter um blogue!
      Beijinhos!

      Eliminar