15 de setembro de 2016

FACULDADE \\ Primeiro dia de Praxe

Se tivesse de comunicar pela televisão o quão fantástica foi a minha primeira experiência enquanto caloira e praxada, provavelmente o público anti-praxe tomar-me-ia como uma subornada pela Comissão de Praxe, divulgadora de calúnias. Acontece que o meu primeiro dia de Praxe foi, de facto, maravilhoso! Não fui para dentro da faculdade com mil e uma expectativas criadas, mas também não construí em mim o medo de me vir a desiludir. Fui neutra para dentro daquela comunidade e saí, há pouco de Lisboa, de coração cheio.

Primeiramente, a Praxe na Faculdade de Arquitetura em Lisboa não é uma praxe agressiva. Sei que só vivi um dia de cinco, mas a amostra do produto foi mais do que suficiente para me convencer de que eu quero e vou repetir os outros dias da Praxe. Aliás, só o facto de no dia da matrícula, a Comissão de Praxe se ter mostrado disponível em todos os segundos para nós, foi mais do que um indício de que tudo correria bem nesta atividade. Não sei se era ou se é comum em algumas faculdades, mas na minha, todos os caloiros possuem uma credencial que penduramos ao pescoço, com o nosso nome, curso, idade, a região de onde vimos, números de emergência e problemas que tenhamos, para que saibam logo o que é que não deveremos fazer. Assim como nós, os mais velhos utilizam apenas um crachá com uma fotografia sua, o nome, o seu grau e o curso em questão. Tudo para que haja um maior controlo das situações. Puxaram por nós, gritaram, disseram-nos quando é que as coisas estavam uma merda, quando é que gostavam do nosso desempenho, mas principalmente, brincaram e deixaram-nos brincar. A Comissão foi super preocupada, simpática, engraçada; ensinaram-nos os cânticos da faculdade e dos respetivos cursos; mostraram como é que funcionavam certos acontecimentos, contudo, nunca deixando que a nossa relação se torna-se abusiva. 

Na hora de almoço, o convívio triplicou. Fomos para um terraço, tendo direito a churrasco, bebidas e música; os caloiros entre si conversaram, trocaram ideias, conviveram; houve muita dança e interação por parte da Comissão e entre nós mesmos; eu, inclusive, fui uma das pessoas que, quando dei por mim, já havia dançado de uma ponta à outra com colegas minhas, aspirantes, veteranos e doutores; já havia ficado no centro da típica roda de dança e quem nunca recusou realizar uma atividade. Uma das coisas que nos ajudou a conhecer-nos ainda melhor foi exatamente o facto de andarmos com as tais credenciais e crachás. Sempre que queríamos saber o nome ou curso de alguém, bastava desviarmos o olhar para o peito da pessoa para que a curiosidade matasse a fome.

O único empecilho que se mostrou bastante relutante foi o facto do meu corpo ter começado a dar sinais de esforço, sendo que a meio das atividades finais, vi-me obrigada a chamar por alguém da Comissão para que pudesse colocar-me de parte e alongar os músculos. Quando isso aconteceu, juro-vos que não me poderia ter sentido mais em casa: todos os mais velhos mostraram-se preocupados, apoiaram-me nos alongamentos e até me encaminharam para um local mais calmo e confortável para que pudesse descansar. Sempre que alguém passava por mim, perguntava-me se eu me estava a sentir bem, se precisava de alguma coisa, em suma, foram bastante hospitaleiros comigo (e com todos os outros também). Já cá fora, depois de todos terem saído também, alguns chegaram-se a mim, perguntaram se já estava melhor e explicaram-me que se eu ou algum outro caloiro necessitasse de parar a meio de uma atividade, ou mesmo recusar-se a fazê-la, que estava no seu direito, explicando os seus motivos, sendo que estes seriam muito bem aceites.

Estávamos todos lá pelo convívio e interação. Se para nós, o dia de hoje foi um máximo, houve quem garantisse de que os próximos dias serão ainda mais divertidos! Toda aquela atmosfera me fez recordar dos tempos e das pessoas do secundário; daquela familiarização; daquela competitividade existente, mas que ao mesmo tempo, é saudável. Agora compreendo melhor os conselhos para que experimentasse, pelo menos, uma vez a Praxe... E tendo passado o dia de teste, sei que quererei fazer parte de tudo aquilo que a englobar, para que no futuro, os futuros caloiros possam viver intensamente as coisas boas que vivi hoje. E sim, a Praxe afinal não é assim tão má como a pintam na globalidade (e eu apenas desejo ir dormir, de tão dorida que estou. Parece que fui passar o dia a um ginásio, de tanto me sentar e levantar do chão)!

10 comentários:

  1. OH, que experiência tão positiva! Isto sim, é a verdadeira praxe: aquela que procura a integração dos novos estudantes. Espero que os restantes dias sejam tão bons quanto aquele de que falaste!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. vou começar a praxar este ano (a minha praxe ainda não começou) e só espero que os meus caloiros se sintam tão bem como tu te sentiste :)
    é de facto uma experiência magnifica!!

    ResponderEliminar
  3. Adorei este teu post , até porque eu não consegui entrar na universidade na 1º fase e ver este post fez-me sentir uma espécie de nostalgia fantasma pois eu não posso sentir saudade de uma coisa que nunca participei , mas espero vir ainda a participar se não este ano , com certeza no próximo ano. Obrigada porque são publicações destas e testemunhos como o teu que dão força a quem ainda vai e que nos fazem sentir ainda uma maior vontade de participar nesses rituais e sentirmo-nos integrados :)

    ResponderEliminar
  4. Tão bom ler este testemunho acerca da tua experiência. Eu aconselho sempre os caloiros a experimentarem a praxe porque não sabes se gostas ou não sem tentares. E fico tão feliz quando vejo experiências como a tua, felizes e nada abusivas, respeitando a 100% a tradição.

    Marli, do My Own Anatomy ♥

    ResponderEliminar
  5. Uau, isso é que foi uma experiência 5 estrelas Lyne! Estou mesmo radiante por ti rapariga. Aproveita bem enquanto dura :)

    ResponderEliminar
  6. É mesmo muito bom que comecem a surgir textos como o teu com opiniões como a tua! A praxe muda mesmo de faculdade para faculdade e o que se mostra para a sociedade é apenas 1% e provavelmente o pior 1%! Espero que esses dias continuem a entusiasmar-te e que gostes! é uma experiência única!!

    xx Rita | O blog da Ritinha

    ResponderEliminar
  7. bom post! ate vou seguir se quiseres passa no meu! beijo

    ResponderEliminar