domingo, 16 de outubro de 2016

"A minha melhor amiga gosta do mesmo rapaz que eu"

É impossível não sorrir de cada vez que decido visitar esta recordação, provando para mim mesma do quão trágico poderia ter sido este cenário, se o amor que me une à amiga em questão não batesse mais forte do que qualquer outra coisa. Já fui vítima desta situação, a de que eu e a minha melhor amiga gostámos do mesmo rapaz, andando nós os três na mesma turma e partilhando de uma mesma amizade. Sendo que ela era mais extrovertida do que eu era na altura, o caso para o meu lado talvez não fosse assim tão benéfico. Durante cinco anos, gostei deste mesmo rapaz, tendo ele tido conhecimento disso desde os primórdios do sentimento florescido. Recordo-me de ele até ter ficado uma semana sem sequer ter olhado para mim, ou talvez tenha sido impressão minha, mas na altura, este acontecimento afetou-me um pouco. 

Andando um pouco mais para a frente, quando estava no 7º ano e novas pessoas entraram na minha turma, houve uma rapariga que me tinha chamado à atenção, e com a qual fui partilhando conversa, até ao dia em que simplesmente parecíamos ter sido feitas uma para a outra. Ríamos de qualquer coisa, ela gozava comigo pelo facto de eu gostar do moço há tanto tempo, inventava histórias e narrativas que poderiam acontecer entre nós, enfim, ela simplesmente fez o que qualquer amiga faz, quando nós temos o coração enterrado e não sabemos o que fazer com ele. Meses se passaram, e com eles, ela trouxe-me o desabafo de que estava a começar a gostar do mesmo rapaz que eu... Numa outra circunstância, com uma outra pessoa, eu talvez tivesse reagido muito mal, provavelmente até cortaria relações, vocês sabem, aquelas reações absurdas que qualquer adolescente tem em contextos destes, por muito ajuizada que a pessoa seja. De tantas manifestações, a única coisa que me ocorreu no momento, e que de facto aconteceu, foi ter-me rido na cara dela, ter-lhe abraçado, e ter passado o resto dos meses seguintes a gozar com ela. Vejamos, enquanto indiferente, ela implicava com o moço, fazia piadas, mandava bitaites, e o cupido acabou por lhe transformar numa vítima à minha semelhança. Uma coisa tão simples quanto partilhar dum sentimento pela mesma pessoa, acabou por nos unir ainda mais, ao contrário do que costuma acontecer. 

Houve sim momentos em que eu tinha receio de que, entretanto, ela e ele se juntassem, curtissem, começassem a namorar, sei lá, mas também não me debruçava sobre estes medos, moldando-os em cenários que nunca chegaram a acontecer. Aliás, no 9º ano, ela comportou-se de uma forma tão altruísta em relação ao rapaz em questão, que até eu lhe questionava se ela tinha a certeza do que estava a fazer. O que aconteceu foi que, de tantas coisas que ela poderia ter feito, ela foi apresentar ao rapaz a sua atual namorada, e já lá se vão quatro anos desde o sucedido. Eu duvidei, eu torci o nariz, eu admito que sempre detestei as namoradas dele, mas sabe-se lá porquê, este quarto elemento conseguiu fazer com que eu simplesmente gostasse dela. Afinal, eu estava a crescer mentalmente, e soube como aceitar a situação.

Nos tempos de hoje, eu e a minha compincha sentimental ainda nos damos, e bastante bem. Podemos não conversar todos os dias, mas a animação de quando nos vemos está sempre garantida. O que se passou entre nós foi e continua a ser uma lição que carrego dentro do meu coração, a de que independentemente  dos desafios que se coloquem no meio de duas pessoas amigas, o seu futuro depende apenas dos seus atos e decisões. Sei que existem casos de amigas/os que deixam de ter contacto, simplesmente porque gostam da mesma pessoa. Eu, aliás, já vivi um episódio com uma outra rapariga que conheço há anos, cujo final recaiu em cima de mim, tendo eu de me desculpar pela minha fúria enciumada e retardada (e sim, foi por causa deste mesmo rapaz). Trouxe este assunto aqui para o blogue apenas para vos abrir os olhos para esta situação. É possível sermos amigos de pessoas que gostem dum mesmo indivíduo do que nós. Por muito doloroso que seja assistir a um avanço sentimental entre os outros dois envolvidos, temos apenas que aceitar, respeitar e seguir em frente. Se algo terminar, que seja esse sentimento que provavelmente não vos levará a nada. Não sejam duros convosco mesmos, não descontem no vosso amigo que passa o mesmo que vós, somente apoiem-se. De tantas histórias que poderão ser geradas destas cenas, construam uma da qual poderão gargalhar no futuro, enquanto se recordam do quão patéticos foram e do quão divertido se tornou conspirar contra o crush. Descompliquem a vossa vida, abram o vosso coração e deixem que o vosso corpo e a vossa mente se sintam leves e livres de qualquer resíduo, de qualquer mágoa, de qualquer dor... De tantos caminhos que poderão tomar, escolham um que vos permita ser amigos dos vossos amigos.

10 comentários:

  1. Adorei a história, mas acima de tudo adoro a forma como escreves! É difícil prender-me a um texto, mas tu conseguiste! Acho que todos nós passamos por isto, principalmente na adolescência! Continua o bom trabalho :)
    xx Rita | O blog da Ritinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Rita! Nem sabes o bem que me faz ter este tipo de feedback!!
      E sim, passar por situações destas é normal, o desafio é saber lidar com elas!
      Beijinhos!

      Eliminar
  2. Epah..... Sem palavras!!! Sem dúvida que as vezes temos que meter outras coisas em frente desse tal sentimento que tanto atormentou!
    Sem dúvida uma coisa que nos uniu e deixou marcas boas!! Que hj ao lermos e ao falarmos disso é só gargalhada... 😂
    💕💕💕💕 adorei!!! Continua assim que terás tudo o sucesso merecido! 😝😍💕

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade!! Hoje passamos bons tempos só de relembrar! *-*
      Oh muito obrigada Lili, de coração! <3

      Eliminar
  3. :O adorei o que escreveste e como escreveste
    Já tive numa situação semelhante e sem duvida que esse facto acabou por nos unir , somos hoje melhores amigas
    Adorei a sério!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz por vocês terem gostado, a sério! O vosso feedback tem sido incrível! *-*
      Oh, ainda bem que continuaram amigas!! Isso é que é preciso! :D

      Eliminar
  4. Uma história que serve de bom exemplo.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderEliminar
  5. Bem, esta situação é quase inédita! Quando estava no sétimo ano, duas amigas minhas gostaram do mesmo rapaz e... a coisa não correu nada, nada bem. Eram melhores amigas há anos, cortaram relações e ainda hoje não se falam. Penso que só é possível sermos amigos de alguém que gosta da mesma pessoa que nós se forem todos pessoas decentes e se nenhum elemento se relacionar com o dito cujo. Caso contrário, por muito que a pessoa "ignorada" seja racional, é sempre desagradável. Felizmente a tua história teve um final feliz, vá :)

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, isso das pessoas serem decentes é mesmo muito verdade!! Até eu confesso já ter criado alguns barraquinhos por causa deste rapaz, mas assumo que foi estúpido da minha parte, e fico feliz em saber que não estraguei muita coisa na minha vidinha adolescentizada!!
      E sim, o meu final não foi assim tão mau!! :P

      Eliminar