domingo, 9 de outubro de 2016

PESSOAL \\ Itens com os quais não consigo viver sem

Com a entrada na universidade, torna-se bastante evidente quais os objetos dos quais precisamos no nosso quotidiano. As rotinas que começam cedo, aliadas ao cansaço final de cada dia, são apenas fatores que nos conduzem para um tipo de pensamento que, no secundário, jamais ousaríamos em adotar. A verdade é que enquanto podemos, tentamos reunir à nossa volta o máximo de coisas que gostamos ou conseguimos. Na nossa mente, ter mil e um estojos é o ideal; aqueles cadernos super apelativos da Staples gritam pelo nosso nome, e meu Deus, aquelas canetas diversas são um must dos nossos materiais escolares... Mas ter de estudar a quatro horas de casa acaba por nos ensinar a deixar o peso a mais para trás, carregando apenas o essencial na mala. Com o passar dos dias, acabamos por nos despir dos cinquenta cadernos do dia, dos manuais que se convertem em sebentas ou, como muita sorte, em powerpoints que os professores nos disponibilizam, ou mesmo as nossas preferências, que se viram mais para a companhia do copo térmico com chá e de um livro, do que propriamente daquela carteira de dois metros que tanto prezamos.

Ainda assim, reconheço que existem coisas que, mesmo com o passar dos anos, simplesmente não consigo abandonar em casa. Por muito que me certifique de que o vício das redes sociais deve diminuir, deixar o telemóvel em casa seria um crime da minha parte. Para além de me manter em contacto com os meus pais e amigos, este pequeno filho da tecnologia é a minha maior companhia por causa da música. Sinto que se não ouvir cinco minutos de música diariamente, qualquer coisa no meu cérebro deixa de funcionar. Ainda há dias, aconteceu-me a fatalidade de ficar sem bateria, na viagem de regresso para casa. Só não chorei porque, para mim, o ato de deixar os fones abandonados pela cama seria ainda pior! Estando de boa companhia, acabei por "esquecer" a falta de energia do meu mais que tudo, tirando a barriga da miséria assim que coloquei os pés em casa. 

Baixando um pouco a localização dos fones quando enfeite, os brincos são outro item que não dispenso. Desde que me lembro, que faço uso destes acessórios, sempre com um comprimento que dê a ilusão de pescoço longo. Não que os use até ao ombro, mas eles têm de ter uma medida que esteja à minha medida. Só não faço uso deles quando estou de cabelo solto, porque de resto, podem ter a certeza de que as minhas orelhas nunca estão nuas! Posso não ser grande fã de colares - e acho que nem tenha pescoço para isso -, mas o meu pulso está sempre ornado com a minha pulseira dos 17 e o relógio que recebi aos 18, visto que aquele que tinha antes disso, decidiu fazer birra e avariar-se. O bom do relógio dos 18 é que ele é bastante discreto, partilhando de uma similaridade com uma pulseira, cumprindo uma dupla função no lugar onde pertence!
Como é mais que óbvio, nunca (ou quase nunca) ando sem um livro atrás. Seja ele de leitura obrigatória - que quando encaramos como um simples livro, se torna bastante prazeroso -, ou aquela leitura do mês, todos os minutos em que fico a encarar o vazio servem-me bem para colocar a leitura em dia. Embora me tenha dedicado mais a dormir nos transportes, sempre que posso e tenho espaço na mala - pois detesto ter de andar com coisas na mão - o lugar do livro está sempre reservado! Nunca se sabe o que é que pode acontecer, e ter esta companhia connosco  é sempre uma mais valia. Apesar de não desenhar nos livros, tenho de colocar em mente que o meu diário gráfico terá de começar a andar comigo para todos os lados. Ainda na sexta (ontem, penso eu), lembrei-me dele, tendo de desenhar no meu bloco de apontamentos, enquanto apanhava uma seca preocupante na aula de Geometria (uma disciplina que sempre adorei no secundário!). O jeitaço que me teria dado atualizar os desenhos do pequenote! Em conjunto com este material, outros itens que não me devem faltar são as grafites e canetas. Tanto um como o outro servem para se desenhar ou tirar apontamentos, seja das aulas ou de uma ideia que me surja, naqueles espasmos de genialidade repentinos.

Gosto, particularmente, de andar preparada para os detalhes que me circundam, fazendo também o uso da câmara fotográfica do telemóvel. Desde a apresentação do primeiro projeto para LAB.ARQ., que tenho vindo a prestar ainda mais atenção às coisas que quero fotografar. É uma sensação de orgulho quando denoto que as minhas capturas têm sofrido uma evolução significativa, não só por se destacarem das antigas, mas também por refletirem ainda mais a forma como observo o mundo. É bom mantermos uma rede de partilhas com outras pessoas, pois também acabamos por aprender e desenvolver um pouco mais a maneira como encaramos a vasta diversidade que nos rodeia. Tem sido incrível recordar aquilo que tenho vivido, apenas porque faço questão de valorizar algo tão simples como a congelação de uma imagem!

E vocês, quais os itens que não dispensam no dia-a-dia?

4 comentários:

  1. Também não consigo passar sem o telemóvel, até me sinto mal!
    O livro não anda sempre comigo, mas quando não anda o livro anda uma revista :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Esta publicação deixou-me a pensar! Eu cá não passo sem o telemóvel, a minha garrafa de água da Tupperware e um caderninho. Por norma, também uso sempre um colar e brincos. Até sou uma pessoa prática! :p
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. O telemóvel é o item que não deixo nem por nada! Serve para tudo, principalmente desde que tenho o iPhone e posso aceder ao email a qualquer hora. Outro objecto que tenho sempre comigo é o meu elástico para o cabelo, quando me esqueço dele em casa acho que vou morrer de calor. Já fui mais de andar de relógio, mas no verão tiro-o sempre, porque fico com a marca muito facilmente. Fora isto: a aliança de namoro nunca sai e uso sempre brincos pequeninos, dois, na orelha direita; as chaves, a carteira e o bálsamo da Carmex andam sempre na mala.

    Por acaso é um post que me deixou a pensar nas coisas "idiotas" que eu não dispenso no meu dia-a-dia.

    let's do nothing today

    ResponderEliminar
  4. telemóvel, nem tanto pelas chamadas, mas pelas fotografias, sem dúvida! um caderno e um lápis/caneta para poder sempre escrever quando quero! água, não consigo andar sem água!

    ResponderEliminar