24 de abril de 2017

Saídas à noite: Sim ou Não?

"Não" costumava ser uma resposta que me acompanhava na ponta da língua, assim que me questionassem acerca deste assunto. Juntando o facto de que quando era mais nova, nunca ter ganhado o hábito de sair por aí, com o pouco à vontade que sentia já um pouco mais velha, a vida noturna nunca foi algo que me deixava curiosa. Para mim, ficar em casa era, e continua a ser, uma melhor opção, mesmo quando os nossos melhores amigos poderiam ser a nossa companhia da noite. Contudo, tudo mudou quando fui para o Porto, no ano passado. Como foi uma coisa de turma, automaticamente tivemos mais liberdade para fazer as nossas coisas, saídas à noite inclusive. O que eu pensei que me fosse incomodar, passou por ser uma pequena prova de fogo na qual me saí bem-sucedida. Se o problema era apegar-me ao álcool, às drogas, ou mesmo  ao sexo por uma noite, como muitos jovens fazem, isso não foi algo que me tenha incomodado, pois para além de não me ter sentido tentada, simplesmente não é coisa para mim. Posso beber, sim, muito de vez em quando e dependendo das ocasiões; nunca fumei, nem nunca me meti em atividades que pudessem degenerar o meu psicológico, logo, sair à noite acabou por ganhar pontos da minha parte.

Continuo a ser pessoa de não sair à noite. Mesmo estando na faculdade, só há duas semanas é que fui à minha primeira festa académica, e mesmo com receio de não gostar a cem porcento, acabei por me sentir dentro do meu ambiente, apenas por haver sempre música e, consequentemente, dança. Aliás, a minha primeira saída à noite foi em Dezembro, no âmbito do jantar de turma, e em cuja noite me diverti bastante, acompanhada dos meus colegas. No sábado passado, celebrou-se o aniversário de um amigo, e o combinado foi encontrarmo-nos às 21h30 no parque, e concentrarmo-nos na avenida perto do rio. O resultado? Levou-se bebidas para quem bebe, quem fuma levou os seus cigarritos, e pessoas como eu, que não fumam nem bebem, levou-se a compreensão e a simpatia. Destas três experiências, posso concluir que sair à noite recebe um grande "Sim" da minha parte, somente por causa das companhias. A noite, somos nós que a fazemos, e o seu grande final depende, e muito, das pessoas que nos acompanham nestas situações. Tenho a sorte de me dar com pessoas que me respeitam pelas coisas que faço e deixo de fazer, e nesse sábado em questão, alarguei o meu círculo de amigos, exatamente por isso: porque mesmo eu não tendo os mesmos hábitos do que eles, eles foram capazes de me incluir, de me deixar à vontade, e de criar debates dos mais diversos temas, para que a noite não perdesse o seu brilho.
Ficaram com os copos? Claro, obviamente. Eu fui a sóbria do grupo? Com certeza. Contudo, isso nos impediu de nos divertirmos e de nos conhecermos? De maneira alguma. Se, eventualmente, eu tivesse ido com outras pessoas, será que a noite não teria tido este encanto? Acredito piamente que sim. O que se ouve e vê por aí nada mais é do que o resultado das más ações que as pessoas adotam. Da mesma maneira que tenho pessoas que gostam de sair à noite, ouvir música, dançar até de manhã, esses mesmos amigos são adeptos de serões em casa, com a companhia de filmes e outros seres humanos. Tudo depende da maneira como nos organizamos, da forma como agimos, e do quão identificáveis são as nossas pessoas. Se, por acaso, as pessoas com quem nos damos não têm nada a ver connosco, obviamente que as coisas correrão mal, seja em ambiente diurno, ou neste caso, noturno.

E outra, para quem não está familiarizado, automaticamente fica com a ideia de que sair à noite implica que estejamos condicionados a nos metermos em bares, discotecas e becos mórbidos, sendo obrigados a beber, fumar, roubar, etc.. O que é uma ideia completamente errada, visto que passear perto do rio, sentar-se num jardim, ir à praia com boa companhia, comida e bebidas, pode, e deve, ser considerado como uma saída à noite. Nós não precisamos de nos submeter a situações que nos prejudiquem, apenas para ganharmos o rótulo de "divertidos". Só porque os outros não estão habituados a nos verem divertidos, a dançar e a transpirar como consequência, não quer dizer que isso advenha de um consumo prévio de algo. Eu, por exemplo, adoro dançar, e onde me sinto confortável para o fazer, faço-o sem medos, o que fez questionar um amigo muito próximo, pois ele pensou que eu já estava toda alterada e que isso havia desencadeado aquele meu à vontade. Nada a ver. Sei quando me devo divertir, sei como o fazê-lo, e até acho que seja saudável sairmos um pouco da rotina, apenas para explorarmos mundos novos. A questão aqui é o carácter das pessoas, e não o facto de se estar de dia, ou de noite.

São pessoas de sair à noite? O que têm a dizer acerca deste assunto?

5 comentários:

  1. Confesso que sou uma pessoa que adora a noite e com isto as festas! Se pudesse saia todos os dias (como fiz na minha viagem de finalistas) mas como tu disseste o que fazem as noites boas são mesmo a companhia! E se soubermos por limites tudo corre bem e podemos nos divertir bastante!

    Beijinhos!!
    Black Rainbow Instagram

    ResponderEliminar
  2. Concordo tanto contigo, contudo confesso que ainda há locais que independentemente das pessoas com quem saia não são apelativos para mim. Por exemplo, certos bares no bairro alto em Lisboa. No entanto, já saí a bares (nomeadamente no Porto - vamos a confessar que a noite no Norte tem outro encanto) e diverti-me como nunca antes. Os lugares para além do carácter dos nossos amigos também é importante. Convêm descobrir onde ir.

    ResponderEliminar
  3. Também penso assim, não costumo sair, mas quando o faço não me transformo como um lobisomem, continuo a mesma pessoa de sempre, gosto de estar com os meus amigos e conversar sobre tudo e sobre nada, tal como fazemos de dia...
    http://sunflowers-in-the-wind.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Sou uma pessoa muito mais caseira agora do que era quando entrei para a universidade. Dantes saía para todo o lado e agora procuro o sossego de casa, muito mais. Mas, se sair à noite, definitivamente não é para ir para discotecas, e só raramente me meto em bares. Detesto esse ambiente, prefiro muito mais um baile ao ar livre, um concerto em campo aberto, do que encafuar-me num sítio e acabar a cheirar a tabaco, quando não fumo, e cheia de bebida dos outros porque não se sabem controlar e acabam por entornar sem quererem.

    Concordo contigo, a noite não é sinónimo de algo mau, simplesmente temos que fazer o melhor dela mediante aquilo em que mais nos sentimos confortáveis :)

    Beijinhos,
    Sónia Rodrigues Pinto
    SHE WRITES

    GIVEAWAY DIA DA MÃE

    ResponderEliminar
  5. Sempre fui muito caseiro e, como tal, a ideia de sair à noite nunca me encantou. Aliás, quando estava no secundário e combinávamos alguma coisa, ia quase por arrasto mas o certo é que quando lá estava adorava. Tudo depende das pessoas com que nos rodeamos. Se tivermos um grupo de amigos decente, não existe essa coisa das pressões. Cada um faz o que quer e os outros respeitam. Nos últimos dois anos se saí 2x foi muito mas apesar de ter passado bons serões à conversa, continua a ser algo que consigo dispensar. Para rematar, a tua frase final resume tudo na perfeição.

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar