segunda-feira, 5 de junho de 2017

LYNE \\ 18 Coisas Que Ainda Não Disse Aos 18

Está quase, e embora não me assuste tanto quanto pareça, é estranho pensar que ainda ontem eu fazia as mais pequenas traquinices dentro de casa, e agora, sem perder o senso de brincadeira, tenho de vestir a capa das responsabilidades e aprender a ser mais adulta, a cada dia. Das muitas coisas que a idade me tem vindo a oferecer, tornar-me numa pessoa sincera tem sido uma delas. Se há coisa que eu detesto é quando alguém tem algo para me comunicar e não o faz com receio de eu não reagir bem. Para ser honesta, prefiro que sejam diretos, do que guardarem um peso que não faz sentido. 

No entanto, e por muita vontade que dê, existe muita coisa que eu não fui capaz de dizer, ou expressar, nestes meus dezoito, quase dezanove, anos de vida. Uns pontos são mais ligeiros do que outros, no entanto, sinto que poderei partilhar pensamentos que, se formos a ver, não serão considerados assim tão loucos. 


1. Quando sinto que tenho de me declarar a alguém, faço-o sem problemas, mas uma coisa é dizermos "estou a começar a nutrir sentimentos por ti", outra completamente diferente é prepararmos os lábios e deixar que eles abandonem a declaração "amo-te" para outro alguém. 

2. Apesar do amontoado de pensamentos que já habitaram em mim, tirar a própria vida nunca foi opção. Na fase de crescimento, depararmo-nos com imensas flaws pode danificar qualquer cabeça, contudo, desde miúda que tenho um espírito forte, que sempre me protegeu de ter as ideias mais loucas, não obstante o desconforto que muitas pessoas já me fizeram sentir em relação ao meu corpo. O que elas não sabem é que, ao contrário delas, eu estou mais capacitada para confraternizar com os meus defeitos, em vez de ignorá-los.

3. Juntando ao facto de saber protagonizar alguém que não se preocupa muito com os problemas da vida, a verdade é que eu realmente consigo não me importar com muita coisa que me dizem. Digamos, até, que sei como ser um pouco insensível para certos assuntos, talvez demasiado fria, mas há que aceitar que eu tive de aprender a construir uma casca demasiado rija de modo a me conseguir proteger de muitos ataques de fora. Confesso que, de uns anos para cá, eu tenho vindo a amolecer essa casca, afinal, nem toda a gente partilha dos mesmos podres, e existem umas quantas pessoas que merecem o meu respeito e consideração.

4. Para aqueles a quem é difícil de acreditar, que mal é que há em eu nunca ter namorado, ou "pior" ainda, beijado? Existe, por acaso, alguma lei que me obriga a ter estes afazeres riscados, para a idade que tenho? Chateia-me bastante ter de levar com rostos surpreendidos, frases munidas de desconfiança e um certo ceticismo da vossa parte. Agora a sério, não sejam este tipo de pessoa, é bastante chato!

5. Desconfio de que cantar seja uma espécie de instinto ao qual todos os seres humanos recorrerem, mas digamos que eu canto mesmo, super afinadinha, e há amigos que até já ficaram surpreendidos comigo. Não, agora não me peçam para cantar, pois não funciona assim. Há dias em que a voz contribui, e outros em que simplesmente falha miseravelmente. Apesar de tudo, só me consigo soltar quando há notas mais altas e graves, do que propriamente baladas. Enfim, coisas que nunca admiti para alguém.

6. Tenho receio de, por uma eventualidade, vir a enlouquecer, não pelos tipos de tratamentos que poderia vir a receber, mas sim por reconhecer que eu não me tornaria na melhor versão de mim mesma, sendo até capaz de cometer as maiores atrocidades. Talvez seja só de mim, mas já que aqui estamos num momento mais pessoal, isto não é algo que eu confesse do nada. Eu tenho realmente medo de mim mesma e daquilo no que me poderia vir a tornar, se eu perdesse o total controlo da situação.

7. Uma das muitas razões que me levam a encarar a vida com tanta descontracção deve-se ao facto de eu já me ter assegurado de que nada dura para sempre. Felizmente, nunca sofri uma perda que me despertasse para isso, contudo, sou uma pessoa bastante sensível a certas coisas - e também um pouco bipolar, pois acabei de me contrariar numa mesma publicação. A empatia bem que poderia ser o meu primeiro nome, não fosse pela minha capacidade de me colocar no lugar dos outros, sem que eles me peçam para o fazer. Claro está que eu nunca saberei o que é que a outra pessoa sente na íntegra, porventura, isso não me impede de partilhar da dor com ela, tentando ajudá-la a ultrapassar as adversidades.

LYNE

8. Há dias em que quando não sei o que fazer, simplesmente me sento e fico ali, na inércia, a comunicar comigo mesma. Mais fácil do que muitos julgam. Sinto que muitas pessoas ainda não chegaram a esse nível de espiritualidade, confrontrando-se com uma dificuldade imensa em se resolverem, quando o momento assim o exige. Graças a esse reconhecimento de mim mesma, sinto-me bem mais capaz de superar o stress, a ansiedade e o receio de errar.

9. Eu não tenho poderes mágicos como muitos julgam. Se me consigo organizar, é porque faço por isso. Se tenho as coisas feitas a tempo, é porque trabalho para que isso aconteça. Mete-me bastante piada - daquelas saudáveis -, quando os meus se espantam com a rapidez e eficácia com que realizo os meus afazeres. É verdade que sou um pouco preguiçosa, mas quando é para trabalhar, é para trabalhar!

10. Quando estava no básico, eu não só tive uma, como tive duas crushes ao mesmo tempo! Desde aí, que me tem sido bastante comum deixar-me apanhar por duas ou três pessoas, todas ao mesmo tempo. Há quem deva terminado de ler isto e pensado "Esta rapariga é louca!", mas sabem de uma? Já me habituei e acho super normal que algo do género aconteça, pelo menos comigo. Um dia tenho de escrever acerca disto!

11. Pegando num pedaço do ponto anterior, tenho um receio danado de, quando me vir a apaixonar por alguém, relacionando-me com ela, de não ser capaz de me entregar a cem porcento por causa dessa minha inclinação para trezentas crushes, Bem lá no fundo, acredito que, quando a pessoa chegar, eu saberei, na hora, se saberei controlar-me, ou não.

12. Eu ainda tenho um ligeiro medo do escuro, principalmente quando consumo algum tipo de conteúdo relacionado com cenas de terror, mistério, etc.. Por ter uma mente bastante criativa, por vezes dou comigo a construir cenários mirabolantes, que ao fim de um tempo, impedem-me de fechar os olhos e adormecer em condições. Contudo, isso ainda não é o suficiente para me afastar de livros e filmes que contenham esse tipo de essência.

13. Não tenho saudades nenhumas do passado, e acredito que tão cedo isso não mudará. Se sou o que sou no presente, e gosto do que observo, não vejo porque me apegar a algo que já lá foi e que, muito provavelmente, só me trará angústias. Viver a vida no momento é mais do que uma prioridade!

14. Quando criei o blogue, não estava à espera de receber tantas questões dos meus colegas e amigos acerca do meu trabalho. Pensei que alguns deles desprezariam este meu hobby, e que até criassem piadas, mas acontece que me tenho vindo a deparar com o oposto, e isso não me poderia deixar mais feliz!

15. Gosto, do fundo meu coração, quando as pessoas começam a falar comigo acerca da sua vida, sem que eu lhes peça. Posso não dizê-lo aos meus, mas fiquem sabendo, se algum de vós ler isto, que nunca o parem de fazer. Sei que aprendo sempre bastante quando vos aconselho, da mesma maneira que construir diálogos é dos melhores projetos que eu poderia ter em mãos!

16. Eu evito comunicar isto às pessoas, mas já que aqui estamos, tenho de vos avisar: ainda não perceberam que dizer-me que o meu curso não me vai levar a lado algum,  não me fará desistir dele, muito pelo contrário? Sempre acreditei, e hei de levar este ensinamento comigo, que independentemente daquilo que façamos com a nossa vida, se trabalharmos com gosto, amor e dedicação, nós teremos SEMPRE um destino a visitar, uma recompensa a recolher, um sorriso ao final do dia para esboçar. E sinceramente, nada nem ninguém conseguirá converter este meu modo de pensar, a não ser que eu o permita.

17. Não sei se é usual no ser humano, assim de um modo geral, mas quanto mais me disserem de que eu não consigo, mais forças me darão para vos esfregar na cara de que eu sou capaz. Sou bastante teimosa, e quando me dirigem mensagens com as quais discordo, o facto de eu não argumentar não é sinónimo de derrota, mas sim a reflexão que faço sobre o assunto, o estudo das minhas capacidades e o começo de uma nova jornada. Obviamente que não ajo assim com tudo o que me aparece à frente, porventura, tratando-se de alguma coisa da qual goste bastante, preparem-se para um mãe leoa que faz de tudo para proteger as suas crias!

18. Passe o tempo que passar, tenha eu a idade que tiver, ver o meu nome mal escrito transformar-me-á num ser que busca que o exorcismo lhe caia em cima. 

E é isto! Revelei coisas simples, outras mais pessoais, no entanto, era algo que tinha de ser feito e o qual estou curiosa para reler daqui a um ano! Será bastante engraçado, aposto! Espero que tenham gostado e sintam-se à vontade para partilhar connosco as coisas que nunca disseram ou admitiram para o mundo! ♥

4 comentários:

  1. Acreditas que ando a fazer uma lista com esse tipo de coisas? eheh
    Agora que vi o teu post fiquei naquela "publico ou não?".

    Dizer "amo-te" é super complicado, mas a partir do momento em que o sentires, vai sair-te muitooo naturalmente e é provável que até vás achar estranho isso sair de ti. Eu achei e só foi há 4 anos atrás, por isso não foi há tanto tempo assim eheh
    Quanto ao curso, esquece, as pessoas são um caso perdido. Os cursos de "sucesso" estão em águas paradas agora e elas continuam a achar que sim, aqueles é que são melhores. Eu já nem ligo. Falam do meu curso, olham de lado quando vêem os meus trabalhos e ainda ouço coisas como "isso não é importante", quando na verdade esquecem-se que tudo o que existe é, de alguma forma, Arte. Enfim, uma pedra em cima e siga que é caminho :D
    Btw, já arranjavas um namorado para depois escreveres umas crónicas românticas aqui para o blog eheh :D just kiding.

    ResponderEliminar
  2. Gostei tanto desta publicação. Encontrei imensa sinceridade nas tuas palavras e adorei conhecer um pouco mais sobre ti, pois escreveste de forma crua e verdadeira.
    "Eu ainda tenho um ligeiro medo do escuro" - join the club! Não é um medo louco, mas ainda acendo a luz do corredor para ir à casa de banho e dou uma pequena corridinha. Acho que fará sempre parte de mim ahah!

    ResponderEliminar
  3. Identifiquei-me com muitas das coisas que aqui escreveste e como sempre adoro a tua maneira de pensar e de escrever. Se todas as pessoas com 18 anos tivessem esta tua maturidade e esta tua forma de encarar a vida o mundo seria muito melhor.:)

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. É tão bom ler isto e identificar-te a 100% em todas as palavras. Não fazes ideia. Primeiro, tens cada vez mais talento na tua escrita, fluída, natural, sincera... Em segundo, és das pessoas mais verdadeiras interior e pessoalmente que conheço. Talvez pela tua capacidade de te colocares na pele do próximo e conseguires sentir o que ele sente sejas tão eficaz a auto-avaliares a tua própria consciência e as tuas acções, como referes.
    Quanto aos relacionamentos, Lyne, não te preocupes... sempre ouvi dizer e gosto muito de acreditar nisto: Quando tiver de ser, será e vai ser em grande!
    Admiro imenso que consigas olhar para trás e não sentir saudades, acredita que aprecio imenso essa característica em ti, porque me incentivas a fazê-lo.
    Só uma última nota: Se voltas a auto-intitular-te de fria, vou até Lisboa, de propósito, só para te dar na cabeça! Não és fria para certos assuntos, Lyne, apenas és 5 vezes mais delicada e mostras o teu sentimento de uma forma mais ponderada.

    ResponderEliminar