domingo, 9 de julho de 2017

SÉRIES \\ "Lucifer" (2015)

E pensar que levei meses para assistir a esta série. Não sei porque hesitei tanto ao início, mesmo depois de ter sido elucidada acerca da sua temática, no entanto, valeu mesmo muito a pena esperar que as férias chegassem e deixar que uma semana da minha vida fosse dedicada às duas temporadas existentes da mesma. Evito a qualquer custo trazer-vos a temática da religião para o blogue, não porque não tenha o que dizer, mas sim porque talvez aquilo que eu tenha a dizer não seja bem aceite por muitas pessoas. Contudo, quando bem empregada e quando sei que não me ofenderá, encaro a fé e a crença como coisas bonitas, que unem pessoas e que as levam a praticar o bem, independentemente das diferenças que as separem de mim.

Lucifer

E tudo isto porquê? Porque a série da qual vos venho falar aborda a temática da religião. Não de forma descritiva, abusiva, ofensiva, mas sim da perspetiva do Diabo... Que decidiu tirar férias do Inferno... Para residir em Los Angeles. Sim, exatamente o que terminaram de ler. E como é que isso vos poderá ajudar na vida? Mesmo que sejam feitas piadas, mesmo que existam personagens ateias, mesmo que o Diabo seja a personagem principal, não há como não destacar o encanto que existe por detrás das mensagens que nos passam. E se o Diabo não for assim tão mau, e apenas o "é" porque foi essa a função que lhe concederam? E se, afinal, a maldade humana seja uma coisa nossa, que nós decidimos alimentar em nome de algo ou alguém que nada tem a ver, apenas para nos justificarmos de que o Diabo é o culpado de tudo? E se o Diabo for bem mais humano do que nós julgamos pensar?

"Lucifer" é uma série complexa, que mesmo trazendo informações bíblicas ao baile, não o faz com o intuito de suscitar controvérsias, muito pelo contrário. Julgo que se observarmos bem, esta produção foca-se mais em trazer-nos os conflitos que possivelmente possam existir na família celestial, equiparando-a com o resto da humanidade. Levo-a como uma série metafórica, na medida em que nos mostra que por muito diferente que a nossa natureza seja, por muito que os nossos verdadeiros amigos a estranhem, se eles nos tiverem mesmo em conta, eles aceitar-nos-ão tal como somos, com os nossos defeitos. Porque não há razão para temermos aqueles que nos querem bem, mesmo quando somos o Diabo. Talvez tenha levado esta série muito a peito, mas eu sou da opinião de que sim, se as pessoas são más, é porque elas fazem por isso, muitas das vezes porque querem, e de quando em vez porque a vida as moldou assim. Para mim, não há motivos para culpabilizarmos uma entidade pelos nossos pecados, apenas porque foi coibido a tal. O Lucifer é uma personagem egoísta, egocêntrica, charmosa, que gosta de punir os maus pelos seus pecados, no entanto, é uma entidade que acaba por se apaixonar, que se torna vulnerável, e que mesmo não querendo abraçar essa condição dos mortais, faz por entendê-los... À sua maneira, mas mesmo assim.

O que mais apreciei em toda esta produção é o facto de terem tido o cuidado de se preocupar com as razões pelas quais o Lucifer é assim, uma entidade ressentida, fechada, dono de si mesmo; concedendo-lhe a oportunidade de se justificar, não se focando apenas na imagem de Deus. Temos a oportunidade de conhecer alguns dos seus irmãos, a sua pequena demónia, e tantas outras individualidades que nos seduzem a cada episódio, tornando-nos em verdadeiros viciados na série, ao mesmo tempo em que podemos assistir de perto os conflitos entre a religião e a ciência - acreditem que em todo este tempo de existência, nunca me tinha passado pela cabeça uma maneira tão genial de desenvolver esta relação.

Aconselho que dêem uma vista de olhos à série. Mas uma vista bem aberta e atenta. Não há razões para se retraírem, não há razões para se isolarem dela. Se preferirem encarar "Lucifer" como uma piada, estão à vontade. No entanto, se quiserem ser como eu sou com quase tudo, e acharem que vale a pena explorar todo o pano de fundo, colocando hipóteses na mesa e estudando-as como elas merecem, então bem-vindos ao clube!

Já viram esta série? O que têm a dizer?

2 comentários:

  1. Vi cerca de sete episódios e cansei-me. Eu gostei da temática, achei-a bem interessante mesmo, mas não foi suficiente para me prender ao resto da trama. Chega a ser bem chatinha, para ser sincero! Os casos semanais tornam-se monótonos e apesar dos protagonistas terem química, meh... não sei. Mas o protagonista é genial. Amo o humor e o ator dá-lhe um toque refrescante, ousado e bem sexy. Talvez um dia volte a pegar nisto mas, para já, numa altura em que vejo pouca coisa por falta de paciência, fica na gaveta!

    ResponderEliminar
  2. Bem, estou curiosa para ver esta série de que tanto falaste no Twitter e que te pôs desaparecida xD. A história parece ser mesmo interessante. Tenho que acrescentar à enorme lista de séries que tenho para ver ( de momento, estou a ver Girlboss, não sei se já viste, apesar de não ser muito fiel ao livro, é muito boa, as personagens são mesmo engraçadas e tem uma banda sonora espetacular).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar